SEGUIDORES

domingo, 14 de janeiro de 2018

Na Planície



 Na planície verde dos sonhos,
as águas correm
com a placidez dos dias esquecidos.

É a única voz que perfuma o pão desta fome de silêncio

Contorno as margens dos sapais e colho hastes de alegria
no bailado leve das ervas.
Prendo-me ao chão, escutando as súplicas das rãs
no murmúrio da linguagem
que salta da pele plana
e quieta dos charcos.
Sigo o vaguear inquieto das libélulas
arrastando consigo
o sono dos nenúfares

Quero vingar-me deste lugar abrigado da noite 
que me oculta a dança suave dos reflexos dos olhos da lua,
sacudir este sal que fulmina os sabores das manhãs quentes e quietas
e agonizar com a felicidade do declínio das tarde limpas
com lumes no horizonte.

Regressarei ao meu vale azul
e pernoitarei com  as asas das estrelas.


Manuela Barroso, "Eu Poético"

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Pingo de chuva



Cada pingo de chuva é uma nota musical que me traz segredos de ti.

deixo que escorra nos sulcos das minhas mãos,
até se solidificarem nos cristais das palavras
que me trazem o teu nome.

deixo que permaneça mudo
como frutos caídos de outono,
despedindo-se da vida,

à espera de um rebanho de larvas.

deixo que flutue na pele silenciosa deste lago
onde as folhas caídas
são penas que contornam seixos noturnos,
no deserto de penedos nus.

e cada pingo de chuva
é um cristal teu, suspenso na noite
mais clara que o breu.

Manuela Barroso, in "Eu Poético"




sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Feliz Ano Novo






Que a Festa de o Ano Novo que agora começa, seja a esperança de outras alegrias.
Feliz Ano Novo!

Abraço.

Manuela Barroso


 Um brinde à  nossa saúde e amizade







Manuela Barroso
Imagens: net

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Natal




NATAL


No cume branco das madrugadas
Enquanto  descia lenta  a neblina
Subiam saudades redobradas
De quando eu ainda era menina.

Um cheiro mole, espesso a nevoeiro
Atravessava lento o pinheiral
Peneirando sobre o musgo primeiro
Depois a minha árvore de Natal

Trazida em festa e a solenidade
Com que sempre se celebra o Amor.
O presépio nascia na  verdade


Com aquela  inocência sem idade
Onde  nos acaricia o calor
Que devia envolver a humanidade .

Manuela Barroso
Dezembro , 2017


Minha colaboração nos postais de Natal, incerto no E-Book " ...e não havia lugar para Ele"


                                                                   E- Book
https://issuu.com/correiasepulveda/docs/n__o_havia_lugar__colect__nea_de_na






quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Lembrando o Natal


Hoje a saudade bateu à minha porta.
Peguei na criança que fui e embalei-a no pensamento das minhas memórias repletas de recordações.
Eram dias frios e húmidos nas terras do Gerês.
A noite era o breu que cobria a aldeia entre-cortada de pinheiros e eucaliptos.
O peito enchia-se do aroma purificador do pinho ácido.
A manhã crescia com a azáfama do Natal. Os adultos trocavam conversas sérias, feitas de sabores sobre doces e a ceia.
Mas... e o presépio?
Isso era com as crianças...
Então, descia os caminhos toscos, serpenteados por entre os pinhais que levavam ao rio.
As pedras penduravam-se viçosas e verdes de líquenes. E eu colhia as pastas de musgo da face dos rochedos, deitados por entre os pinheirais.
...E nascia um presépio com cheiro a pinho, a musgo, a verdade...
Não tinha luzes psicadélicas mas um único ponto fixo luminoso, recordando a mensagem de Belém.
...Nasceu um Menino que iria inquietar os bem instalados na Terra.
...E a mesa crescia com a alegria da festa, e a festa dos sabores.
Meia-noite.
O sapato mais bonito para que o Menino Jesus, ao descer a chaminé, trouxesse o ambicionado presente! Era uma presença especial, pois claro!..
...E lá ia deitar-me vendo bem a posição do sapato, não fosse Ele esquecer-se...
...Adormecia com o sapato e a ansiedade...
...E mal nascia o dia, corria para a chaminé pendurando a surpresa no coração...
...E o Menino sempre se lembrou de mim...
…E a alegria era do tamanho da felicidade daquele instante!..
...

Hoje também recebo presentes...
...Mas não ponho o sapatinho!..
Hoje também ofereço presentes...
...Mas não são para pôr no sapatinho...
...São para o " pinheirinho" entupido de embrulhos e laços pretensiosos...
...E parece que a festa começa aqui...com as crianças histéricas a abrir presentes...continuando a abrir presentes, agora já entediadas...acabando por lançar neles um olhar absorto, mudo, fundo!
...Digam-me. O que mudou?

...E perco-me em mim. Agora, não na saudade, mas nas perguntas que borbulham na alma como lava num vulcão!..
...E as respostas saem luminosas e quentes...
...Ora me queimam, inquietando-me...
...Ora me inquietam, borbulhando, queimando ainda mais!


...Ah! O meu Natal…                    
...O meu sapatinho…
...O meu Menino Jesus
...alegria sem igual!


Manuela Barroso
( reeditado )